Sobre o Museu

O Museu foi fundado em 26 de agosto de 1989 e é uma instituição pública, vinculada ao Departamento de Proteção ao Patrimônio Cultural da Secretaria Municipal de Cultura de Bauru.

A trajetória do Museu Ferroviário Regional de Bauru começa com a publicação da Lei nº 1445, em 11 de julho de 1969, que institui o Museu Ferroviário de Bauru como uma entidade da Prefeitura Municipal de Bauru.

Mostra de 1986, nas dependências do armazém da Companhia Paulista

Mostra de 1986, nas dependências do armazém da Companhia Paulista

Em 1986, a partir da Lei nº 2731, o nome da instituição museológica é alterado para Museu Ferroviário Regional de Bauru. Desta maneira, fica instituída sua abrangência e importância regional.

Em 26 de agosto de 1989, após a estruturação de um projeto museográfico e arquitetônico, o Museu Ferroviário Regional de Bauru é fundado no antigo prédio administrativo da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, com o intuito de preservar e expor o material ferroviário das empresas ferroviárias Companhia Paulista – CP, Estrada de Ferro Sorocabana – EFS e Estrada de Ferro Noroeste do Brasil – NOB, que atuaram na cidade. As três empresas compartilhavam o prédio da Estação Central Ferroviária, que formava um dos maiores entroncamentos ferroviários do Brasil.

Fachada da Estação Central da NOB

Fachada da Estação Central da NOB

Na década de 90 o museu passa a receber visitas espontâneas e de escolas do município e da região, realizando visita mediada onde, além da atuação das empresas ferroviárias, é transmitida a história da formação do município, como se deu o conflito com os “Kaingang” e de que maneira a estrutura férrea se consolidou e mais tarde, até a sua decadência.

Para a formação de uma coleção de relevância para a cidade e região, uma campanha de doação de objetos é criada e, desta forma, o embrião da coleção museológica do Museu Ferroviário Regional de Bauru é constituído.

Locomotiva que trabalhou na construção de trecho da Noroeste do Brasil – NOB

Locomotiva que trabalhou na construção de trecho da Noroeste do Brasil – NOB

Nos primeiros anos de existência do museu, foram organizadas mostras, exposições, exibições de filmes e encontros de ferreomodelismo na Gare da Estação Central e no armazém da Companhia Paulista. O museu passou também por algumas mudanças estruturais ao longo dos anos para se adaptar as demandas crescentes.

Originalmente, a instituição contava com quatro salas expositivas e um auditório. Na área externa ainda não existia a Praça “Kaingang”. Alguns anos depois, após a reforma do espaço externo, o museu passou a sediar uma grande área de convivência com jardim, bancos para o público e para os alunos de escolas públicas ou privadas.

Praça Kaingang, no interior do Museu.

Praça Kaingang, no interior do Museu.

Em 2001, através do projeto Ferrovia Para Todos, uma composição, composta por uma locomotiva a vapor fabricada nos EUA em 1919 e, três carros de madeira construídos nas oficinas da NOB em Bauru entre 1932 e 1951, foram reformados e postos em condições operacionais, para que os visitantes possam conhecer de maneira lúdica, o funcionamento da locomotiva, bem como as características do carros de passageiros.

Composição reformada em condições operacionais

O Museu Ferroviário Regional de Bauru preserva um acervo variado, com peças de maquinário ferroviário, mobiliário, indumentária, pintura, fotografia, material etnográfico, documentos textuais e exemplares relacionados à atividade ferroviária e compreende a produção das empresas férreas que atuaram no município de Bauru. O acervo abrange o recorte histórico do século XX à contemporaneidade.

Programas Institucionais

O Museu Ferroviário desenvolve oito programas para melhor atender o público.

1 – Programa de Acervo

O acervo museológico do MFRB conta em média com três mil peças tridimensionais, as quais estão previamente identificadas e estão passando pelo processo de catalogação. Existe um livro de tombo, onde as informações primárias do objeto são descritas e um número de registro museológico é atribuído assim que ele chega ao museu.
Como parte integrante do processo de guarda de acervo, existe uma reserva técnica, que abriga os objetos que não estão em exposição, onde é acondicionado o acervo.

2 – Programa de Exposições

O Museu Ferroviário possui duas áreas de exposições. Uma área destinada à exposição de longa duração e outra que recebe mostras de curta duração. As mostras são planejadas por membros da equipe da instituição, respeitando o projeto museográfico e realizando adaptações às condições do acervo.

3 – Programa Arquivístico

O Arquivo Ferroviário foi estruturado a partir da reunião de documentos do antigo Centro de Memória da UNESP. O acervo documental é constituído de boletins de trânsito, resumo de trajeto, fichas funcionais, diários oficiais, mapas, fotografias e outros. Existem áreas destinadas à higienização, guarda adequada e pesquisa histórica e técnica.

4 – Programa de Conservação

A área de conservação é destinada ao constante trabalho de higienização, tratamento e acondicionamento do acervo documental, bidimensional e tridimensional do museu. A conservação preventiva entra como uma ferramenta de prevenção à proliferação de xilófagos, sujidades e outros agressores.

5 – Programa Educativo

O setor educativo se propõe a desenvolver atividades lúdicas e dinâmicas com o público que frequenta o espaço do museu. Entendendo que um museu é um espaço informal de educação, são elaboradas ações pedagógicas voltadas à questão da atuação da ferrovia na cidade e educação patrimonial.

6 – Programa de Comunicação

O programa se dedica à divulgação da instituição museológica, das atividades que são desenvolvidas e do acervo do museu. A busca por parceiros e voluntários também é feita pelo setor de comunicação, uma vez que a instituição não possui fins lucrativos e procura atender às demandas da comunidade no entorno.

7 – Programa de Acessibilidade

A acessibilidade está sendo revista e reformas estruturais de acesso e locomoção já foram implantadas no espaço do museu e ruas próximas. A partir de este novo olhar, mais inclusivo e adequado, os acessos ao museu serão ampliados para fornecer um atendimento de maior qualidade ao público.

8 – Programa de Pesquisa

O setor da pesquisa se dedica à investigação sobre a história da ferrovia, atuação das empresas que se instalaram aqui no município e a repercussão desta empreitada. O Arquivo do Museu Ferroviário atende o público solicitante (universitários, interessados em ferrovia, ex-ferroviários e outros) e permite acesso aos documentos da instituição.

Missão

Preservar através da conservação, estudo e comunicação os testemunhos materiais e imateriais relacionados ao surgimento, trajetória e atuação das empresas ferroviárias Companhia Paulista – CP, Estrada de Ferro Sorocabana – EFS e Estrada de Ferro Noroeste do Brasil – NOB, que passaram pelo território do município de Bauru.

Objetivos

O museu tem como objetivos:

  • Divulgar, estudar e preservar o legado ferroviário;
  • Promover ações educativas, visitas mediadas e outras atividades sobre a história e atuação da ferrovia;
  • Fomentar e divulgar a identidade ferroviária do município.
Programa de Ação Cultural (ProAC) da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo
Apoio
Secretaria Municipal de Cultura de Bauru
Realização
Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo