Relatório da Assembleia Geral Ordinária de 20 de outubro de 1910.

Ver PDF em tela cheia
Transcrição (OCR)
' RELATORIO

. ' DIREÇTORIA

DA

Companhia de Estradas do Ferro
Noroeste do Brazil

APRESENTADO Á

ASSEMBLÉA GERAL ORDINARIA

REALISADA

Em 20 de Outubro de 1910



mo DE JANEIRO
Papelaria União — Rua Ouvidor, 75

.|—

1910





..

*:*—Jl

ln».

I

doenÃa te.-1 k/Q/Çcía/u'alaa

A Directoria vem prestar-vos infomações sobre as occur—
rencias havidas depois da ultima assembléa e apresentar-vos as
contas relativas. ao exercicio de 1909.

Os trabalhos não tiveram o andamento desejado pelas
causas que passa a expor.

Do lado de S. Paulo, as febres de mão caracter se desen—
volveram com tamanha intensidade, que, apezar de organisado
o serviço prophilatíco e hospitalar, victimou um grande numero
de operarios e empreiteiros, amando e espalhando uma tal '
impressão de pavor contra a. região que impedia o mandamento
de novas turmas para substituir as inutilisadas. Os indios, de
seu lado, atacando por diversas vezes o pessoal e fazendo cor-
rerias, morticinios e incendios, muito canaometam para aggra—
var a má impressão .conservada pelas molestias.

Não foi, pois, -sem grandes sacrificios que a Companhia
conseguiu concluir os trabalhos nessa tão inhospita região,- que,
felizmente, já foi atravessada. ' '

Os trabalhos, actualmente, se executam no territorio de
Matto Grosso em zonas affastadas das margens do rio Paraná,
e absolutamente salubres.



Do lado de Corumbá, aê molestías e a enorme campanha
feita no Rio da Prata contra o mandamento de operarios,
assim como a díãculdade de envial-os d'aqui, iomm as prin-
cipaes causas de atrazo na marcha e desenvolvimento dos ser«
viços, tendo tido tambem não pequena influencia a circums-
tancia de se ter de trabalhar em teneno innundado na extensão
de cerca de 50 kilometros.



6 .

Está, felizmente, tambem transposta, desse lado, a má
região, e os trabalhos j a' se executam com regularidade no pla-
nalto salubre.

Apezar de todos estes contratempos, os trabalhos reali-
sados, se não satisfazem o primitivo programma, que se havia
adoptado, constituem, ainda assim, um resultado brilhªnte
comparado com o que ate' hoje se tem conseguido, no Brazil,
. na construcção de estradas de ferro. '

Os trihos, a partir de Bahurú, jã attingiram. o kilometro
475, e a construcção esta atacada até o kilometro 575. Do lado
de Corumbá, os trilhos chegaram ao km. 180 e o leito esta'
quasi concluído até o km. 210.

O serviço de trafego continuou a ser feito com regulari-
dade, a região vae se povoando e desenvolvendo com rapidez, e
faz esperar que dentro de muito pouco tempo seja suª-
cientemente rendoso.

. Os relatorios dos chefes do trafego e da construcção, e
mais documentos que vão em annexo, detalham os diversos
serviços, e com estes, snrs. Accionistas, vos serão prestados
quaesquer outros esclarecimentos que julgardes necessarios.

Rio de Janeiro, 13 de Setembro de 1910.

João T. SOARES

Presidente



Parecer do Conselho Fiscal

O Conselho Fiscal da Companhia Estrada de Ferro No-
roeste do Brazil, cumprindo o dever que lhe é imposto pelos
Estatutos, vem apresentar o seu parecer sobre as contas offe-
recidas pela Directoria, relativas às operações até 31 de Def
bro de 1909. ' .

Tendo procedido ao exame da escripturãção da Compa-
nhia, encontrou-a o Conselho Fiscal organisada com todo o
preceito e bôa ordem, bem como todos os lançamrantos feitos
de accordo com os documentos devidamente coordenados, veri—
ficando mais que o balanço, que vos é apresentado, guarda
inteira concordancia com o modinento geral escripturado nos
livros da Companhia. _

O Relatorio da Directoria não só indica, claramente, as
condições em que se encontram os serviços em execução, como
tambem offerece todos os esclarecimentos sobre os destinos da
Companhia.

Assim, propõe o Conselho Fiscal que sejam approvados
os actos e contas apresentadas pela Directoria.

Rio de Janeiro, 16 de Setembro de 1910.

F. MARTIN.
J . C. VIANN-A
H. ANTUNES.



Companhia de Estradas de Ferro Noroeste do Brazil





Balanço Geral _em 31 de Dezembro de 1909













ACTIVO ill PASSIVO

Concessão, Direitos e Privilegioa ........................... 10:000:0008000 Capital ............................................ , ...... ]0 .000:0003900-
Des em de Installaçno c Delegações ....................... 6.839: 1403250 Obrigações ............................................... '18.532:500$000
Lin & em Trafego ........................................ 11.470:0208664 J aros das Obrigações ...................................... 68:9185857
C." Gene." Ch. Fer. et de Tr. Public: —- c. de construcção. . õ.460:0388103 Delegações ........... . . .......... . ....................... 5.205:000$l100
U." Géné. " Ch. Fer. et de Tr. Publica—c. de administramentoa 2.527 :1698073 Juros & Receber ...... . . . ..... . ..................... . ..... 4151 :5202000
Amortiza ão de Obrigações.......................... 39:1835000 Governo Federal...... ................ ....... 2.3l0:8395209
Caução os Directores. . . . . . . .'. ........................ . . . . 140:0005000 Renda do Trafego ..... .. . . . ............................... 7603478160
O." Géué." Ch. Fer. et. de Tr. Publics — c. construcção Supprimentos ao Trafego .................. . ............... 893:Gn25272

Itapura-Corumbá ................ . ...................... 24.886:500$000 Governo Brazileiro — c. de Titulos ......................... 35.300:0005000
Governo dos Estados U. do Brazil — c.. construcção Itapura- Obrigações sorteadas & Pagar ............................. 0: 17851100

Corumbá ............................................. IO. 4l3:500$000 CJ" GénéJº de Ch. de & cr. et de Tr. Pulilics — saldo de
Custeio do Trafego ........................................ 1 1.570:084$555 diversas contas. . . ., .................................. J.!lãõzliãlismíl.
Almoxarifado ............................................. 73:8643877 Caisse Géné." dc Reports et de Depots —— saldo de diversas
Serviço de Juros das Obrigações .......................... 8.417:322$404 contas ................................................ 5334105500
Garantia de Juros ........................................ 401:520$000 Banque Française — c. de despezas ........................ 6695120
0.“ Géné." dc Ch. de Fer. et de Tr. Pnblics —anldo de di- ' Diversas conta credoras ................ . . . . . . . . .: ......... 2803278768.

venue coutaa......................................... 03:4708023 _ '
Banque Française—saldo de diversas contas ................ 109:847$618
Caisse Gõné." de Reporta et de Depota — c. supplementoa

de juros de obrigações 40.000 & 60.000 . . . . . . . . . . . . . . . 49:9823810
Diversas contas de despezas. . . . . . . . ........ . . . . . ....... . . . 716:001$878
Banco do Brazil .......... . ..... 97:9738504
Caixa. . . . . . ................. . . . ............ 4:4783000 102 :4518504

78 . 370 : 0665750 TS . 370 : 061375!»

E _ _ ___.























Rio de Janeiro, 31 de Janeiro de 1910— 5. 1-3. ou o.

Joãó T. Souma
Presidente.



ARTHUR Acous'ro “'lªiltNEC'K meco
' Chefe da Contabilidade.

Coupon Ilº
) D
, ,.
, ,
. ,
D .
,
) ,
,
, ,

JUROS DAS OBRIGAÇÓES

Saldo dos coupons não apresentados a pagamento :



30.888
220.626
172.086
223.453
194.152

4.059.497
101.489
630.999

2.440.117

60.839.550

68.91335—7



Amava AUGUSTO Wanxncx Frasco

Chefe da Contabilidade

1









































' " 4 É . . ..“ ' . __ '
"'"—_- yu—L :"“..r ' . 'C'—l- _.
I ' ª l
_ Comp anhra de lustradas de Ferro Noroeste do -Brazrl
31 de Dezembro do 1909
_ 1 'I
CONTAS DÍEVEDCRAS CONTAS CREDCRAS
Dan no Fran alse—C'. de cªução Banque Française -—- O. de de na: '
q Saldo d'esta c. .. .......................... SIG.-183.738 Saldo d'esta (: ........... .? ........... . ...... 66 9.120
Banque Française—C. da cmcponr _ C." Gene." Ch. Fer T. Publica—C. do trafego
idem ....................................... 68 . 918 . 857 idem . ...................................... 400 . 020 . 005
Banque Française—C. do Faca __ G." Géné." Ch. Fer T. Publica — C. wpp.*º'juroa
idem .................. . .................... 11.261.023 _ obrigaçôca 60 & 80.000
Banque Française—U. resgate obrigaçõca idem ..................... . ................. 105.899,99!)
idem ....................................... 9.178.000 109.847.618 C." Géné." Ch. Fer T. Publics— C'. mpp!“ amor-
tização obrigações
ºu (36,15;- Ch. Fer T. Publica—Canta supp.'ººjurm _ idem. .............................. . ....... , 25.23.9500
accfcjcfdog *O." Géné." Ch. Fer T. Publica -— C. :upp.'º' para
idem... 21.082.055 pagamento: docoupom
C." Gãné." Ch. Fer 'I'. Publica—Conca aupp.“'juror idem .......................... . ...... . ..... 3.160.õlõ.884
accrercidor obrigações 40 & 60.000 C.“ 66116." Ch. Fer T. Publica -— C. da dropam: -
idem .................. ... 71.781.968 93.470.023- idem.. ........ . .................. . ......... 637.698.4904.335.373-8T8
-Calue Gene.“ de Reports—0. de juro: acucar-ido:
Calue Gene." de Reporta -— C'. :uppJº' juro: obri- idem 874121806
gaçõcl 40 n 60.000 Caisse Géné." de Reports—C. de cheques
idem. . ; ........................... . . ._ ..... . 49982810! idem ..................................... . . 494382594 ma.-110.500
% —— —- —_ __ —. 1 1 _

S. E. ou 0.

ARTHUR Aunusro Waizsacx Frasco,
Chefe da Contabilidade.

boaQaN'”















Actos O o_iaes

Camara Syndical

I.

A Camara Syndiml dos Correctores de Fundos Publicos da Capital Federal.
em sessão de hoje, admittiu à negociação e respectiva cotação oficial na Bolsa.
em cumprimento do aviso do Sr. Ministro da Fazenda. desta data, os títulos do
emprestimo dos Estados Unidos do Brasil, de 1908, 5 ºla. para completar a somma
precisa para construcção da Estrada de Ferro de Itapura a Corumbá e d'ahi á fron—
teira da Bolívia, contractada com a Companhia de Estradas de Ferro Nºrºeste de
Brasil . _

O emprestimo & do valor de 50.000.000 francos, distribuídos por
100.000 títulos do valor nominal de 500 francos cada um, ao portador, de ns.
100. OOl a 200.000. vencendo o juro de 5 ºlª ao anno. devendo a sua amortisação
realizar-se dentro de 50 annos, a começar no de 1912. podendo o Governo aug-
mentar em qualquer tempo o fundo de amortização para o resgate dos títulos ou
resgatal-os por qualquer outro meio, precedendo, nªeste caso, annuncio com prazo
de seis mezes. O pagamento dos juros será 'eli'ectuado semestralmente nos dias
primeiro de janeiro e primeiro de julho de cada arino, mediante a apresentação dos
respectivos coupons. nas praças do Rio—de janeiro, Paris e liondres.

O resgate“ será feito por meio de compra quando o preço dos títulos estiver
abaixo do par e quando ao par ou acima do par. por meio de sorteios. que serão
effectuadós em presença de notarios publicos, nos mezes de maio e novembro de
cada anno e seu pagamento nos dias primeiro de janeiro e de' julho. que se seguir
immediatamente à data do sorteio. '

Secretaria da Camara Syndical do Rio de janeiro, em 12 de agosto de 1909.

]. Claudia da Silva, syndico.

(Diario Oficial, de 13 de agosto de 1909.)









.. ...;—o .

”'n-o

Decreto n. 7.467“ de 22 de julho de 1909

APPROVA os ramos e os ORÇAsrexros PARA A coxsarcçâo DE soares
DE BIADEIRA e POSTES Tarecaararcos DE MADEIRA NA LINHA
FERRI-ZA DE n:.ncacª A ITAPURA.

O Presidente da Republica das Estados Unidos do Brazil, attendendo ao que
requereu a Companhia de Estradas de Ferro Noroeste do Brazil, decreta : .

Artigo unico. Ficam approvados os planos e os orçamentos que Cºmieste
baixam. rubricados pelo director geral de Obras e Viação da Secretaria de Estado
da Viação e Obras Publicas. para construcção de pontes de madeira e postes tele-
graphicos de madeira, na linha ferrea de Bahurú a Itapura, de que é concessionaria
aquella .companhia.

Rio de janeiro, 22 de julho 3.909. 21.º da Republica.

NILO PEÇANHA,
. _ Francisco Sá.
(Diªrio Garcia/, de :23 de agosto de 1909.) _

Decreto n. 7.585 de 7 de outubro de 1909
APRROVA o PROJECTO E Respacrrvo ORÇAMENTO DA FONTE sonar: o Riº ._'
PARANÁ, xo JCRIA. secção DE Marro Gaosso. DE CORUMBÁ Ao ...;? “:
Rro PARAxA. T's—iªi
'ç*?'cª.': :
O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil. attendendo ao Í- à”;
que requereu a Companhia de Estradas de Ferro Noroeste do Brazil. decreta : ' _2

Artigo unico. Fica approvado o projecto da ponte sobre o Rio Paraná, no ; _
jupiá. secção de Matto Grosso, de Corumbá ao Rio Paraná. com dous vãos de .“
50.'"0 na margem esquerda. uma viga continua de 350.“'0 e 10 vãos de 50.m0 na
margem direita. attingindo a 2.307.293 toneladas o peso total das superstructuras
metalicas. assim como o respectivo orçamento. na importancia de 2.689:469$904.

Rio de janeiro. 7 de outubro de 1000, 53." da Independencia e 2l.º da
Republica.

.

NILO PEÇANHA.

Francisco Sá.
(Diario ();/iria], de 1-1 de outubro de 19021.)

_3_

Decreto n'. 7.729 de 9 de Dezembro de 1909

APPROVA, aos: monrrrCAçõrs. os ssrunos narrxrrrvos no nacao
compRaaE-xnrno nªrrar-: os arronaraos 335 E 435. 666.' DA
LINHA DO BAURU' A ITAPURA.

O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil, attendendo ao
que requereu a Companhia de Estradas de Ferro Noroeste do Brazil. concessionaria
da linha de Baurú a Itapura. decreta :

. Artigo unico. Ficam approvados os estudos definitivos e o respectivo
orçamento, na importancia de 4.65313228848. do ultimo trecho da linha de
Baurú a Itapura, comprehendido entre os kilometros 335 e 435. 666, de accôrdo
com as modificações constantes das plantas e mais documentos. que com este
baixam. rubricados pelo director geral de Obras e Viação da Secretaria de Estado
da Viação e Obras Publicas.

Rio de janeiro. 9 de Dezembro de 1909, 88.º da Independencia e 21.º
da Republica.
( Diario Oficial, de 18 de Dezembro de 1909).
'.

Ministerio da Viação e Obras. Publicas

(TRIBUNAL DE CONTAS)

Aviso N. 38. de 12 do corrente. consultando ácerca da abertura do credito
de 96:1323483. supplementar á consignação — Importancia dos juros de 6 ºjº
sobre o capital de 13.770:000$000 — titulo «Estrada de Ferro Baurú á Itapura—,
da verba S.“. do exercício de 1909. para pagamento da garantia de juros do 2.º
semestre d'esse annó. sobre o capital depositado de 15.084:000$000, de accôrdo

com as modificações a que se refere o decreto N. 0.266. de 30 dejulho de 1904.
O tribunal foi de parecer que o credito pôde ser legalmente aberto.

(Diarfo Oji'cial, de 24 de Março, de 1910).

Decreto n. 8.071 de 16 de Junho de 1910

APPROVA. os esrunos Darmrrrvos DA LINHA DE ITAPURA A CORUMBÁ E
D'Aar A FRONTEIRA no BRAZIL. NA extensão DE 84338550.

O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil, decreta :.
Artigo unico. Ficam approvados os estudos definitivos da linha de Itapura
á Ccrumbá e à fronteira da Bolivia, nos trechos de 1, 2. 3. 4. 5 e 6 secções. na

"R..

' A o [:D, ,,
'. ; ZW
':“uyfâ
o', "P ',_

'1
|
. .—

...ª

º .

_4— ' ir:-_.





extensão de S—lõk385.70, que com os trechos já approvados pelos decretos ns.
6.930 e 7.020, de 23 de Abril e 4 de Junho de 1908, completam a extensão
total de 9637.35.70 ; bem assim as plantas e orçamentos d'aquelles trechos. na

importancia de 69.270:2uoç100. que com este baixam rubricados pelo director

geral de Obras e Viação da Secretaria de Estado dos Negocios da Viação e Obras
Publicas.

Rio de Janeiro. 16 de Junho de 1910. 30.“ da independencia e 239
da Republica. '
(Diario Oâícial, de 28 de Junho de 1910).

Ministerio da Viação e Obras Publicas

(TRIBUNAL DE CONTAS)

N. 68. de 15 de Junho findo, com a copia do contracto celebrado entre o
Governo Federal e a Companhia de Estradas de Ferro Noroeste do Brazil, modifi-
cando o de Lª de Dezembro de 1904 e para a construcção e arrendamento da
Estrada de Ferro de ltapura á Corumbá e d'ahi á fronteira do Brazil com a Bolívia
-— O tribunal ordenou o registro do contracto.

(Diario Oficial, de 21 de Julho de 1910).

Ministerio da Viação e Obras Publicas

(TRIBUNAL DE CONTAS)

Sem numero, de 3 de Junho findo. remettendo os documentos relativos á
emissão de títulos. no valor nominal de cem milhões de francos, feita de accórdo
com a autorização constante do decreto n. 6.944. de T de Maio de 1908. e ao
deposito proveniente do producto da mesma emissão feita á conta do Governo na
na «Societe' Générale pour favoriser le developpement du commerce et do l'indus—
trie en France». — O tribunal fez registrar o acto constante do citado decreto e
resolveu que se ofiicie ao ministerio sobre a necessidade de enviar. ao mesmo tribu—
nal. a conta corrente relativa ao emprestimo. para o fim de se iniciar a respectiva
escripta.

Diario Oâicz'al, de 2 de . Agostcrie 1910.

.' ".

ESTRADA DE FERRO NORDESTE DO BRAZIL

Relatorio do Trafego

O trafego da Estrada de Ferro Noroeste do_ Brazil está estabelecido. delimi—
tivamente, na secção que vae de Bahurú a llapura. na extensão total de 4.37
kilometros. Na segunda-secção, que se extende de Itapura á Corumbá, acham-se
promptos a trafegar 177 kilometros, sendo 27 kilometros de Itapura áJupiá e 150
kilometros de Porto Esperança á Miranda. devendo, no anno proximo, ser augmen-
tada, consideravelmente. essa extensão.

Tem continuado. ainda, o trafego de serviço da linha. com a extensão de
5 kilometros. de Jupiá às margens do Rio Paraná, cuja trave'ssia, até a conclusão da
grande ponte de 950 metros de comprimento, vae sendo feita por lanchas a vapor
e embarcações adequadas ao transporte do material.

Aª excellencia dos terrenos atravessados, nessa primeira secção da Estrada.
se deve' o facto do seu immediato povoamento, atrahindo os agricultores que
vieram, expontaneamente. fundar ahi novas lavouras. Na parte." especialmente.
queise allonga de Bahurú a G. Glycerio, no kilometro 240. é consideravel o traba-
lho feito, havendo bôas culturas de arroz, fumo, canna de assucar e cereaes. A
exportação de madeira. esta tambem, vae crescendo rapidamente. e desenvolve-se

com largueza a.industria pecuaria.
O resultado od'erecido ao transporte é. pois. animador, e tudo faz crer que,

a breve trecho de tempo. o.trafego avultará com a producção da zona.
' ' - .
E3 de notar. ainda. a rapidez com que estao crescendo os diversos nucleos

de população, nomeadamente nas cercanias das estações.
Quanto ao trafego de 1909, cujos algarismos se acham minuciados nos

quadros juntos, é digno de menção o facto de ter occorrido o transporte nos dous
sentidos da linha. garantindo ao material uma melhor utilisação.

Os productos de Matto Grosso; posto que não tenha sido iniciado o trafego
dà segunda secção da Estrada, já aiiiuem, por caminhos diversos. ás estações. e
será grande a sua quantidade logo que esse t.sfego se “fôr estabelecendo com regu-'
laridade no territorio d'aquelle Estado.



A receita total do trafegc'. no anno ultimo. de 1909. foi de 426:933$739
e a despeza de 818:856$785. Transportou a Estrada 24.112. passageiros e
14.203,826 toneladas de mercadorias.

do. ou... -





u...-= .... :va

—-—-— -. .

_3._

Possue a Estrada, do lado de Bahurú. material rodante Sªmºíente sendo
pequena a existencia do lado de Corumbí, em virtude da difiiculdade Opposta ao

seu transporte pelas aguas baixas do rio, o que. felizmente cessou, permittindo _

como agora succede. que se vá acczimulando em Porto Esperança 0 das ultimas
encommendas, na sua maior parte. como o que está utiltsado, de origem "3,1ch
e belga.

E' o seguinte o material utilisado. e todo elle se acha em bom estado“ dª
cºnservação :

Locomotivas com tender ................. 16
» de carga com tender ........ . 3 19
Carros de passageiros — 1.“ classe ......... 3
» » » _ 2,“ classe ......... 13
» mixtos .......................... 4
» dormitorios ...................... 4
» ofilciaes ......................... 3 27
. correio e bagagens ................. 5 5
Wagões de carga cobertos ................ 60
. plataformas ..................... 120
» de animaes ..................... 4
ª diversos. . . . ............. . . . . . . 4 183

As locomotivas, que trabalham com uma pressão de S a 10 athmospheras.
têm, as mais pezadas. 30 toneladas, com um peso maximo por eixo. de 0 toneladas.
O peso adherente destas é de 34,5 toneladas.

Tem feito em media essas locomotivas. antes de sua entrada para as ofiicinas
de reparação. um percurso de 55 mil kilometros.

Os carros de passageiros, todos de coberta dupla. tem na inferior o compri-
mento de11.ªª1 e na superior o de 11.'ª0; a largura, entre as faces externas
dos longerõcs, de 2."'61 ; a altura maxima, acima dos trilhOs. de 3,m53; o com-
primento na caixa. exteriormente. de 9.ª'65 ; a altura do soalho. sobre os trilhos.
de 0,ª'90 ; a distancia. de 0.'ª25. entre as duas cobertas: o peso de 11 toneladas:
e a capacidade para 40 passageiros.

Os carros odicíaes. de 14,'º70 de comprimento. tem o pezo total de
16 toneladas. .

Os de bagagem. de ll.ªª02 de comprimento, tem a largura de 2."'67.

Os wagoes. de 10 metros de comprimento. têm. os mais pesados. a tara
de 10 toneladas e a carga de 20. sendo o peso por eixo de 3 toneladas.



O peso dos trens mais pesados e' de 200 toneladas. movendo-se os de carga
com a velocidade. entre estações, de 25 kilometros por hora e a commercial de

20 kilometros.
.O numero dos trens foi, em media, de 65 trens por mez.

.



Funccionaram bem as ofiicinas. mija area total e' de 582.mª e se acham pro-

.

vidas das seguintes machinas e apparelhos .
1 machina de aplainar ;

machinas de furar;

machina de atarrachar ;

terno de rodas ;

ternos mecanicos ;

meza de aplainar ;

machina de serrar ferro;

ventilador ;
motor ;

forjas de ferreiro ;
forja de caldereiro;
» para trabalhos de cobre.

HOJHt—JI—IHCOt—lr—JOJ

|_:

O numero total de empregados é de 53 com os seguintes oHiciaes :

Preço medio por hora

13 ajustadores..................... 610 réis
1 aplainador ..................... 480 »
3 torneiros .............. . . . : .' . . . 550 .
6 ferreiros ....................... 550 .
lcaldereiro ......... 630 »
l funileiro ...... ' ...... . ......... 400 »
. 2 fundidores ..... . . -. ...... . ...... 490 »
7 carpinteiros .................... 630 »
1 pintor ......................... 650 »

A linha em trafego esta' bem conservada, tendo sido mudado os dormentes
estragados e mantido o lastro. '

Foram observados os horarios, funccionou bem a linha telegraphica, não
houve accidentes de importancia. está em ordem a contabilidade, e todo o pessoal
do trafego cumpriu os seus deveres.

Bahuru. 20 de Agosto de 1910.
films. Snrs. Director:: da C . E. .F. Arm-oeste da 3,035].

G. SIMON,
Chefe do Trafego.

ESTRADA DE FERRO NOROESTE DO BRAZIL

Relatorio da Construção



Não foram pequenas as diHiculdades oppostas ao serviço da construcção no
anno ultimo, de 1900, e nos mezes decorridos do actual.

A principio a insalubridade da região em trabalho, onde com a derrubada
das mattas se desenvolveram febres de_máo caracter, affastando o pessoal e impe-
dindo o recrutamento das novas turmas, a despeito do alto salario, de 63000, e
mais, por dia de trabalho. E depois, como um novo e grande embaraço, a incursão
dos índios, que atacavam o pessoal, fazendo mortes, incendiando os ranchos e des—
truindo o material de serviço ao seu alcance, o que, em grande parte, foi motivo
ao afiastamento dos trabalhadores e tareieiros, cujo numero o medo das molestias
havia feito rarear.

Foi organisado, para prevenir e combater as infecções palustres, um excel-
lente serviço prophilatico e hospitalar, que prestou a todo o pessoal os maiores
beneficios. e depois do que, embora a custo, se tornou possível manter. na zona
ruim, parte da gente que a atravessou. "

Quanto aos índios, pediram.se :providencias ao Governo, de quem a Direc-
toria conseguio obtel-as, e muito concorreram para limitar e diminuir a acção. tão
perigosa como nefasta, de taes devastadores.

Do lado de Corumbá foi tambem reduzida a entrada do pessoal, que, che—
gando a Porto Esperança, ia se occupar nos trabalhos de construcção em direcção
ª Campo Grande, isso por effeito da propaganda feita no territorio platino contra
a Estrada. .

Ainda assim, foi terminada, na extensão de 66 kms, a construcção da secção
de Bahurú, que, alcançando ltapura. oFt'ereceu ao trafego toda a primeira parte da
linha na extensão de 437 kilometros.

Essa construcção, concluídos e approvados todos os estudos, continuou nos
dous sentidos da 2.3 segunda secção: de Itapura para Campo Grande e de Porto
Esperança para o mesmo ponto. Dous grupos de engenheiros. subordinados à
mesma empreihda, faziam o avançamento, empregando, em media. 1—100 traba-
lhadores. .

No fim de 1900, atravez de tantos embaraços, e por elTeito das medidas
adoptadas, foi vencida nos dous sentidos da linha, a região peior, adeantando—se
muito a extensão dos trilhos collocados.





ANNEXQS

. ,.



“ESTRADA DE FERRO NOÉOESTE no BRAZIL

BALANÇO da receita e despeza no anno





q
'..-





de1909



EN























RECEITA :* DESPEZA
. ,, 5 Pessoal.
pªssnnens e fretes [ Administração e direcção geral ......... _Material 415673696
" | Diversos '
viajantes ....................................... 93 :5298076 Pessoal .
:.lercadorias............. . 1083792400 :: Telegraphº --------------------------- (Materiªl — lººmªºº'ª
Bagagens e enconunendas..... ............ ..... 10:2815738
,xuimaes...................................... . 2:63085 ' . Pessoal.
Carros .......................................... 203100 214:840$826 =º Almoxarifado ----- ' -— - - - - .. -- ' º ' º, ' ' -- í Material """""" 2:0143735
&“ sas ' -
Rendas [ver É Trafego: Serviço centmi.........1:iessoal, material lgtgºãââ'g
"1 ,, a b ..................................... : 05'60 ! ª' de "ªºs íªm ' 1-ª Í- '-
.I'frnezzlregagens e recibos ......................... 4 3655300 ' » das estações idem » 80:0t58198 109:801$06
3luuas"........................................ 1:1583230 [ _ _ . - .
Aluznel de casas _________________ . ________________ 7:3553300 & Locomoçao: Servrço central ...... Pessoal, material 6:6005626
,; , chaves _______________________________ 4805000 , Tracção ................. . ............ idem 803208118
» » botequim ............................ 2:2605000 Oiiicinas e depositos ............. ......idem 12786118112 214:681$986
» » vehículos ........................... 255000 ' _ , . ..
Rendas eventnaes ............................... 1:5218600 Viª Permanente: 393190 central.. Pessoal, mªÉªªªl 9326030“gl
Commisgâo pela ªrrecªdação de impostos _________ 9533170 ? POÍICIa ........................... _ ....idem 8783080
t'ertidões e 2." vias ............................ 228000 : Conservação dª linhª ª dependencias """ 2985313432
Taxa de cargas e descarga ....................... 2:3025400 Edificio e dependencias .................... 1:9488818l
Fsradia de wagons .............................. 203000 , Obras novas ..... _ ......................... 3:208883—g
Venda de objectos abandonados .................. 133000 ! Serwço Pªrª particulares. " " ' " ' " ' " ' 119:2908720 _
Taxa addicional ................................. 203000 ]“ Serviço para outras repart ......... ' ....... -1:1963"80 4343143238
Recibos em substituição de conhecimentos ........ 3183000 22:3453160 í ___—___
Trafego .
Í
Objectos a inventariar, fornecidos zi Companhia.. - ............ 8:1365803 [
Telegrapho
idem, idem ................................................. 3603580
Locomoção
Serviços ;í. articulares .......................... 63095600
. a mpreza Coustrucrora ........... ' ...... : 234655640 '
n :i. Companhia Noroeste .................. ' 19:5165500 ! 49:0943740
Via. Permanente ,
!
ªerviços & archiares ........................... 1:7645190 |
» :: onstrncçào................ . 1253155330;
» a Companhia Noroeste .................. 430243630
Hbjectos fornecidos ao telegraplio. . .. . . . . . . . . .. . . WWW
l426:0333730 ,
Deâcit..................... ' ............ 391:923$046 H













'818 :3568785 “ 818z8563785
-————-—-__...______---___..____ = ——-——-—————__,___:|:.._









*- —-——_—. ._.

..

“. ] ....

ESTRADA DE FERRO NORDESTE DO BRAZIL

Linha de Balmrú a Itapura

Summario do movimento financeiro em 1909



















































__ . . — _ Ex; : E
. Differença de 1908 ªº, & e ?. S 'é ª
- 3 É 3 “ “É : &:
DESIGNAÇAO & QUANTIAS g 3 “ % 'a e .s .a
o 3 '- _º >,2 É :,
paxa arara ram rasos E; à; 33; cv:
.ª", ª... a
Receita
Passageiros ................... 93:5298076 23:3355016 —
Bagagens e encommendas ..... 10:2815750 3:7533500 —
Animaes ...................... 2:6303500 9685100 —
Mercadorias . ............ 108:23250C0 52:46.£$800 —-
Telegrammas ................. 5:2915140 2:668540 —
Alugueis...... ............. .. 10:1208000 3:327&00 —
Commissões sobre impostos.... 9533170 1735030 —
Diversas ...................... 195z8958803 1683943083 —
Total ............. 4269335739 2:35:0833360 —
Despeza
Administração geral .......... 41:567$.6 %:73'4'5536 —
Tra fego ................ . ..... 109 : 801 8906 53 :6985750 —
Locomoção . .. ........ 214:6818986 86:1298211 _.
Via. permanente e edilicios.... 434zõl48238 249zl'4'18038 —
Telegrapho (Linha .e Oãcins)" 16:2765'224 7:4718'254 —-
Almoxarifado ................. 2: 0148735 2: 0148735 —
Total ......... .... 8l8z856$785 #24sz
Linha de Bahurú á Itapura
Discriminação das despezas em 1909
v ' POB TREM
DESIGhAÇ-AO QUANTIAS montana
Trafego
'
Trens ....................................... 245238708
Estações ................................... 85:0788108
Co nscrvnçâo
Linha e edilicios..... . 334514838
Teleg ra pho .......................... . ....... 16:2'5522-1—
Locomoção ................................ 2144693986
Almoxarifado ................................ 3:0148735
Superintendencia no Brazil ................... 41:5675696
813:8568785





-..o ":Zx'iª'“ ?
:.;l'ã'e. *
. S;?— 1
1
l'

. _O-..-

.

ESTRADA DE FERRO NOROESTE DO BRAZIL



Linha de Bahurú & Itapura

Movimento Geral do Trafego por Estações em 1909





BAGAGEBS 3
E E um
PASSAGEI 08 um S ENCOMM AS ME



N. asnçõss “ 13? 1111103311 11? 111901171»: rom-::.. 157903711 303813925 mronm
|

Bahnrú...... 4.984 20.637.792.| 180 874.900 47.131 3.921.550! 2.098.694 56.321.600

Val de Palmas, 165 195 .460l 36 m .000 3.387 67.600 654.084 1.338. 700
P. Tibiriçá... 601 726.206: 4. 6.100 1.604 39.700 1.731.891 3.003.000
Jacutinga... 2.632 5.341.6385 113 96.100 _9.916 332.030 3.454.126 10.295.600
P. Alves ..... 1. 349 2.801.634Í 30 55.100 - 6.363 123.400 3.242.374 9.416.100



Toledo Fim.. 4. 705 1.454.826! 9 26.600 - 2.612 103.700 723.610 9.143.300
.Lauro Múller. 6.935 2.119.546: 46 73. 7001 6.193 313.300 513.513 2."26.400
P. Penna.. .. 543 1.561.025 12 20. 300i 1 77 73.400 22.201 129.500
A. Lins.. 663 2.333.231 14 17. 600 4722 212.100 713.192 5.333.300
10 H. Legru .. 2.795 306. 5611 9 16. 000! ,21 53.300 3.331 41.500
11 551. Calmon. 3.365 17_. 326. 9581 179 851. 400i 57.499 2.113.070 521.972 7.146.400

'Dm—IQOHP-WIOH





12 Santa Cruz. 1.329 .220. 7681 4-7 : 56.500 15 939 725.300 61.499 403.000
13 G. Glycerio 9.715 2.495. 333: 14= 36. 400' .237i 142.100 9.446 184.300
14 mg atnba. ..] 1.267 3. 361. 355: 33 13.300I| 10 315' 416.300 63.303 401.100
15 o. 51111 ...... 1.413 ' 6.186.857: 41 171. ml 8.287 536.600 117.023 729.200
16 Aracanguáu 925 675. 358: 4, 9.100 2.026“ 133.400 2.263 87.400

7 Anbangaby. . 2.152 203784702 251235300] 5,481' 858.900 18,332 925.300

-.—“I “___i— _
__.— Í — 1



























g
- _.45 .— —-— *_* “G-M- _ ...... ..- -M— .. .»- _... “:..-__. . ._c-o *-—-—-_





ESTRADA DE FERRO NOROESTE DO BRAZIL

Expecificação das locomotivas utilisadas

































































_ I _ _ I _ _ - _
CALDEIRA .. o .ª Cymmmos BODAS o TEN DER.
ª 2 _g :: 1; i na
É 5 = % ª a! o ª É: ªº ªº
= *- - - " « :.: . ., * % ºº % = º - €: ª
Na. É % Snpsrâczs deaquaclmeuta % ª o % 2 "ª É "E %% % a % É % g 'ª É 'a .ª É
' ª ª O º ª- : º 3 o *a º e º = = i ": ªº ':: : E 8 In
9 eu >* 3 a: "' E o S º:: ª “5 m º s.. o º, ª º, .- o ':
53 ª ª“ ª É ª ; º &“ ªê. & % z' % E: «à â &; %s : "ª. E-
"- E— º ""=! #1 o =- o 2 'ª Z a:
ª e”— à 8 ª ºs "' à: a
T T mJ m.' m.“ m. m. m * ' m m Kils T 111 ª Ton. T
1. 2. 3...... 82 28,5 Cy]. 7 82 89 200 2,9 0,045 1,568 0,406 0,50 8 0 1,06 6.030 Vapor 15 12 8 30 8
11, 12, ]3... % 27 » 4,61': 38,54 43,15 133' 2,05 0,045 0.7 0,32 0,46 6 0 0,99 3.711 » _10 3,3 6 T 20 8
14. 17 ...... 15,5 16,8 » 4,10 33,6 37,7 62 3,45 0,05 0,630 0,30 0,46 6 6 0,965 3.346 Whork 6 4,4 5 '.l' 12 4
15.... ...... _ 11,5 12,7 : 3,02: 26,97 29,99 80 2,49 0,04 0,580 0,23 0,406 4 4 0,82 2.132 Vapor 5 3,0 3 T 8 4
|
16.......... 20 27,0 » 6,04 60,38 66,42 155 3,10 0,04 1,215 0,35 0,355 6 6 0,90 3.770 » [0 6,0 6 T 20 8 '
21. 233 ------ 29.9 25.4 :- 7,78 83.09 91.47] 207 2,86 0,045 — 0,38 0,457 8 6 1,067 4.844 » 10 9,5 8 T 25 8
41. 42. 43... 30.5 34.5 . 10,30 132,14 142,50 254 3,08 0,045 1,055 0,432 0,508 10 a 1,007 0.030 Whork 10 8.6 8 'r 25
88, 84. 85, 86 36.3 29 » 8,2 67,18 75,38 132 3,60 0,045 1,366 0,406 0,508 10 6 1,143| 5.714 Vacuo 11_ 11,8 8 27

Sobre a coleção

Museu Ferroviário Regional de Bauru

Instalado junto à Estação Ferroviária, no centro da cidade Bauru, o Museu Ferroviário oferece ao visitante uma volta ao passado glorioso das ferrovias brasileiras, com exposição de fotografias, documentos, peças originais, maquetes e recriação de ambientes que remetem aos tempos da construção da NOB, até o final dos anos 30. Além de um passeio histórico através de curiosidades e peças de grande valor artístico, o Museu proporciona uma aula completa sobre a importância das ferrovias para o desenvolvimento econômico de Bauru e de todo o interior do Brasil.

Programa de Ação Cultural (ProAC) da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo
Associação de Preservação Ferroviária e de Ferromodelismo de Bauru
Apoio
Secretaria Municipal de Cultura de Bauru
Realização
Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo